Emissão de NFC-e – Cadastro de Produtos (Tributação)

  1. Objetivo

    Nesse capítulo iremos explicar os campos necessários para a emissão da NFC-e:
    • Cadastro de produto (Tributação)

CAMPOS:

ORIGEM: A finalidade é identificar a procedência do Produto.

SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA: Utilizado para informar como o produto será tributado ( calculado normalmente, se tem redução ou se é isento ).

PIS/COFINS VENDA CST: Utilizado para informar a CST, dependendo da CST utilizada, será obrigatório informar as aliquotas dos mesmos.

PIS VENDA ALIQUOTA(%): Campo obrigatório para as CST’s: 01, 02 e 03. Para a CST 49, poderá ser informada a aliquota á critério do Estabelecimento, a mesma poderá ser enviada com ou sem alíquota.

COFINS VENDA ALIQUOTA(%): Campo obrigatório para as CST’s: 01, 02 e 03. Para a CST 49, poderá ser informada a aliquota á critério do Estabelecimento, a mesma poderá ser enviada com ou sem alíquota.

ICMS(%): Dependendo da ST informada acima, esse campo será obrigatório para informar a alíquota.

CEST: Código Especificador da Substituição Tributária, são obrigatórios em algumas CST, se o campo estiver em branco no caso de obrigatoriedade, haverá rejeição no envio da NFC-e.

NCM: Nomenclatura Comum do Mercosul, obrigatório em todos os produtos.

TRIBUTO FEDERAL(%): É a alíquota da carga tributária vinculada ao NCM. Informação obrigatória para na impressão do Cupom Fiscal.

TRIBUTO ESTADUAL(%): É a alíquota da carga tributária vinculada ao NCM.

UNIDADE TRIBUTÁVEL: Campo obrigatório para envio da NFC-e.

QUANTIDADE TRIBUTÁVEL: Campo obrigatório para envio da NFC-e.

Emissão de NFC-e – Cadastro de Empresa e Certificado

  1. Objetivos

    Nesse artigo iremos explicar os campos necessários para a emissão da NFC-e:
    • Cadastro do certificado
    • Cadastro da empresa

2. Cadastro do Certificado

Senha do certificado: Campo obrigatório

Arquivo PFX: Utilizado para informar o caminho onde o arquivo do certificado está salvo.

Validade: Preenchimento automático quando informado a senha e selecionado o arquivo PFX.

Conteúdo: Preenchimento automático quando informado a senha e selecionado o arquivo PFX.

3. Cadastro de Empresa

Os campos Código, CPF/CNPJ e E-mail não poderão ser alterados, pois os mesmos foram definidos na criação do ambiente. Caso necessário, entrar em contato com o Suporte da GZ Sistemas.

Para a emissão da NFC-e, os campos de cadastro da empresa são obrigatórios, com exceção dos campos Inscrição Municipal, CNAE e Tipo de Empresa.

Os campos aceitam apenas letras, números e hífen e não poderão ter caracteres especiais por definição da SEFAZ, tais como: @, &, ´, !, #, *, ?, /, ç

3.1. Cadastro do Endereço

Os campos do Endereço são obrigatórios para preenchimento do XML da NFC-e, com exceção do campo Complemento, ele não é obrigatório, mas caso queira preencher, a informação é adicionada ao XML.

Os campos aceitam apenas letras, números e hífen e não poderão ter caracteres especiais por definição da SEFAZ, tais como: @, &, ´, !, #, *, ?, /, ç

3.2. Configurando a aba Emissão de NFC-e

Campos:

Certificado para emissão de NFC-e: Após ter feito o cadastro do certificado, o mesmo deve ser selecionado nesse campo.

Regime Tributário: Selecione o regime tributário para o estabelecimento. Essa informação irá determinar a forma de tributação dos impostos.

O sistema opera com os seguintes regimes:

 1 – Simples Nacional

 3 – Regime Normal

Identificação do código de Segurança do Contribuinte: Quando é solicitado o CSC, é gerado um ID, essa identificação deverá ser a mesma que consta na SEFAZ.

Código de Segurança do Contribuinte: O código CSC deverá ser obtido por acesso ao Portal do Contribuinte, por acesso de LOGIN ou Certificado Digital. Geralmente são as contabilidades que geram esse código e enviam para o Estabelecimento. Esse código é importante, porque ele é utilizado na geração do QR Code. 

OBS: O Sistema está habilitado para o CSC em produção.

COMO ESTÁ A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DO SEU NEGÓCIO?

O comércio está evoluindo. E o seu negócio também está?

Já se foi o tempo em que, para ter sucesso, seu negócio só precisava de clientes com dinheiro no bolso e um cartão na mão. A pergunta nesse momento é: como você vai receber os seus clientes, que cada vez mais usarão meios de pagamento eletrônicos e menos papel moeda?

A metodologia para registrar e gerenciar as vendas está em constante mudança. Nenhum negócio vai sobreviver se ficar pautado em sistemas e métodos engessados que levam a fio o ditado que diz que “em time que está ganhando não se mexe”.

Você vai esperar começar a perder para só depois começar a pensar onde foi que errou?

Hoje, no comércio alimentício, mais de 70% das transações já são feitas por cartão e na área de vestuário chega a bater os 90%. Pagamentos por QR code e dispositivos por aproximação já são comuns, mas agora a tendência é aumentar bem mais o número de transações eletrônicas, uma vez que o PIX foi lançado e traz o diferencial de não precisar utilizar cartão.

Com tipos variados de chaves para liberar as transações, o PIX está tornando muito mais fácil o pagamento de contas, e com o tempo vai reduzir consideravelmente as filas de pagamento em lotéricas e bancos, levando o dinheiro de um ponto a outro em instantes. É um passo muito importante para a economia do país, principalmente neste momento tão complicado que estamos enfrentando em que o contato físico é um fator fundamental e decisivo para a manutenção da saúde individual e coletiva.
Mas, como toda boa receita, é preciso de um finalizador que atenda às necessidades de quem estará comprando, que seria a cereja do bolo. Do que adianta tantas formas de agilizar e facilitar os pagamentos, se não tivermos bons PDV’s para efetivarmos as compras. Mais do que nunca, as frentes de loja precisam ter opções para os clientes; além dos PDV’s convencionais, é preciso “quebrar” as filas, e para isso existem os self checkouts, os auto atendimentos verticais, e os PDV’s mobile, dentre outros.

De formas diferentes, cada um tem uma aplicação específica e agiliza o fluxo de pagamento nos caixas. Onde não cabe um, com certeza vai caber o outro.

Não fique parado no tempo achando que essa tecnologia é coisa de outro mundo. Por dentro dos sistemas, a coisa é realmente super complicada, mas para isso existem programadores super capacitados que resolvem tudo e deixam “mastigadinho” pra nós, consumidores, apenas fazermos o pagamento, como se essa fosse a parte mais fácil.

Consultoria de Vendas – GZ Sistemas